Devido à pandemia, a qualidade dos conteúdos audiovisuais foi reduzida. Entenda o que aconteceu e confira as posições das principais plataformas de streaming!

Seja para relaxar a cabeça com a sua comfort serie (aquela que a gente já assistiu mil vezes, mas faz questão de assistir novamente porque faz bem) ou para adquirir novos conhecimentos com um documentário, as plataformas de streaming se tornaram grandes aliadas do nosso dia a dia. 

Em um período onde permanecer em casa é questão de saúde pública, estar logado nessas ferramentas deixou de ser uma mera distração e se tornou importantíssimo para a manutenção da nossa saúde mental. Afinal, elas criam distrações, novas discussões e podem aquietar toda a família na sala. 

Nesse momento de quarentena, mais do que nunca, as pessoas estão conectadas e o mundo pode estar diante de uma sobrecarga de rede jamais vista na história. Segundo um relatório divulgado pela empresa de segurança digital Akamai, houve um aumento de 50% de tráfego de internet durante o período de pandemia em comparação a um dia normal. Isso representa um crescimento exponencial no envio e no recebimento de dados. 

O cruzamento de duas informações podem nos ajudar a entender o cenário atual em relação a essas plataformas. Em 2018, o Relatório Global de Fenômenos da Internet, da empresa de equipamentos Sandvine, revelou que só o Netflix consome 15% do tráfego global de internet. Já em um dos nossos artigos anteriores, publicamos que 53,2% das pessoas que assinam alguma plataforma de streaming assistem a conteúdos todo dia. Todos esses dados são de quando vivíamos normalmente. Imagina agora! 

Visando evitar um possível colapso na rede, as principais plataformas de streaming voluntariamente reduziram a qualidade de suas transmissões. O principal objetivo é diminuir a sobrecarga no tráfego de internet e o comprometimento dos servidores. Com isso, as pessoas que precisam trabalhar ou estudar em casa ou as que buscam tirar dúvidas sobre os desdobramentos do coronavírus não serão prejudicadas. 

Confira as posições das principais plataformas de streaming e entenda como isso pode prejudicar sua transmissão! 

 

Globoplay

Pertencente à Rede Globo e maior plataforma de streaming do país, a Globoplay foi uma das primeiras a anunciar a redução da qualidade na transmissão. Desde o dia 23 de março, os vídeos da plataforma deixaram de ser transmitidos em Full HD e 4K, limitando as reproduções a 720p. Além disso, a taxa de dados foi reduzida em 52%. 

Em comunicado divulgado à imprensa, a empresa afirmou: “A medida tem como objetivo gerar um perfil de consumo de tráfego mais conservador para evitar um possível colapso da infraestrutura de troca de tráfego público e também garantir uma experiência de qualidade em todas as plataformas”.

Ao divulgar a iniciativa, a Globoplay cobrou das outras plataformas de streaming o mesmo posicionamento. Até então, a Netflix só havia anunciado medidas semelhantes na Europa. 

 

Netflix

Dois dias depois do “desafio” da Globoplay, a Netflix também anunciou a diminuição da qualidade das transmissões no Brasil. As medidas foram semelhantes às adotadas na Europa, onde a plataforma de streaming sofreu uma redução de 25% no tráfego de dados, mas não terá sua qualidade alterada. 

Isso significa que o usuário conseguirá acessar os conteúdos em Full HD ou 4K, no entanto, com uma menor taxa de bits “Quem é muito ligado em qualidade de vídeo pode perceber uma pequena queda na qualidade de cada resolução, mas a entrega ainda será na resolução pela qual o usuário pagou”, explicou a plataforma de streaming em comunicado. 

 

Facebook

Apesar de não ser propriamente uma plataforma de streaming, o Facebook também recebe milhões de acessos em conteúdos de vídeos. Em 2019, o Facebook Watch, a plataforma de reprodução, registrou 80% de alta no número de visitantes nos seis primeiros meses do ano. 

Tanto os vídeos do Facebook quanto do Instagram sofreram uma redução do número de bits na resolução. Essa medida já está implementada em toda a América Latina.

 

YouTube

Campeão de acessos no Brasil, o YouTube também fortaleceu a corrente de diminuição de tráfego durante o período da pandemia. Em março, a plataforma anunciou que os vídeos serão reproduzidos em qualidade 480p inicialmente. 

Os usuários que desejarem aumentar a qualidade dos conteúdos podem fazê-lo na opção “Detalhes”, localizado na barra de rolagem do vídeo. “Continuamos a trabalhar em estreita colaboração com governos e operadoras de rede em todo o mundo para minimizar o impacto no sistema durante essa situação sem precedentes”, afirmou o Google, dona do site de vídeos, em comunicado. 

 

Amazon Prime

Recém-chegada no Brasil, a Amazon Prime também anunciou medidas para fortalecer os servidores de internet no país durante a pandemia do novo coronavírus. Ainda em março, a plataforma de streaming anunciou reduções no bitrate para diminuir o impacto no tráfego de internet.

Assim como a Netflix, os usuários também poderão acessar conteúdos em Full HD ou 4K. “Apoiamos a necessidade de um gerenciamento cuidadoso dos serviços de telecomunicações para garantir que eles possam lidar com o aumento da demanda da Internet com tantas pessoas agora em casa em período integral devido ao Covid-19”, afirmou a empresa. 

 

Atenção! 

Alguns usuários têm presenciado essa queda de qualidade e entrado em contato com os provedores de internet em busca de soluções. No entanto, não há nada que esses profissionais possam fazer. A atitude dessas empresas de streaming mostram que a principal preocupação no momento é pela busca de informação! 

 

Siga a gente! 

Também estamos nas redes sociais! Para ficar por dentro dos nossos conteúdos e dos nossos serviços, siga-nos!

Facebook | Instagram | Twitter | Linkedin | YouTube