PIX: o novo modelo de pagamentos anunciado pelo Banco Central é uma representação máxima da importância do dinheiro digital no nosso dia a dia. Entenda mais nesse artigo!

PIX: o novo modelo de pagamentos anunciado pelo Banco Central é uma representação máxima da importância do dinheiro digital no nosso dia a dia. As transferências tradicionais apresentam algumas limitações, como, por exemplo, a espera de horas para que a quantia chegue na conta depositada. Entre as grandes vantagens do PIX, a principal é a adaptação dessas transações à nossa rotina cada vez mais imediatista.

O PIX é um sistema de transferências instantâneas desenvolvida pelo Banco Central. De transações entre pessoas físicas a pagamentos a estabelecimentos, o objetivo da empreitada é agilizar o acesso a esse dinheiro. Ao invés de ter que esperar horas para ver o depósito cair na conta, o PIX promete que essa tarefa será realizada em segundos. 

A introdução do PIX na rotina do brasileiro é a afirmação da importância do processo de moeda escritural no nosso dia a dia. De acordo com o Banco Central, a moeda escritural consiste em depósitos “normalmente movimentados por intermédio de cheques, que representam um instrumento de circulação da moeda bancária”. Trata-se de uma representação do dinheiro; cada vez menos, utilizamos notas físicas para fazer as transações e apostamos em depósitos e transferências bancárias para realizar nossos pagamentos.  

A dois meses da validação da PIX e da possibilidade de utilização para o público geral, separamos neste artigo as principais explicações sobre esse novo modelo de transação proposto pelo Banco Central. 

 

PIX: as principais vantagens

Atualmente, os usuários de diferentes bancos precisam esperar até 17 horas para que o dinheiro da transferência chegue ao destinatário; em caso de operação realizada no fim de semana, esse prazo aumenta até o próximo dia útil. O maior dos benefícios da PIX é o fato de que as transações acontecem em tempo real, a qualquer hora e a qualquer dia da semana e sem haver necessidade de que os envolvidos sejam clientes da mesma instituição. Um depósito feito na sua conta na madrugada de domingo estará a sua disposição na mesma madrugada de domingo.  

De acordo com o Banco Central, as transferências poderão ser realizadas entre pessoas físicas, de pessoas para estabelecimentos comerciais, entre dois estabelecimentos e para assuntos relacionados a impostos e taxas, no caso das entidades governamentais. 

O PIX apresenta diversas vantagens para os vendedores e comerciantes, especialmente, em relação a uma antiga reclamação da classe: a demora para receber o dinheiro ou a confirmação do pagamento, no caso das cobranças com boleto. Com a modalidade, todos os pagamentos serão realizados através de um QR Code, que será lido através do smartphone, sem a necessidade de digitar nenhuma senha. 

Segundos depois, o lojista já terá a confirmação da compra com o dinheiro em conta. A expectativa é que a iniciativa futuramente inviabilize a necessidade de investir em maquininhas. Um papel impresso com o QR Code já será o suficiente para receber o pagamento. Entre as modalidades do código escaneável disponível no PIX, estão o estático, válido para múltiplas transações, e o dinâmico, que permite adicionar novas informações a cada transação. 

Para as pessoas físicas, a iniciativa também visa reduzir a geração de plástico no dia a dia da população, já que não é preciso um cartão físico e tudo pode ser realizado através do celular. Além da rapidez do recebimento de depósitos de forma instantânea, o PIX reserva a agilidade de diversos processos, como por exemplo, o envio mais rápido de produtos ou serviços pagos por boleto. 

Quando pagamos algo por essa modalidade, é parte de um protocolo de segurança do estabelecimento esperar o pagamento cair para enviar a compra, o que pode demorar até 24 horas. Com o dinheiro à disposição instantaneamente, a mercadoria pode ser liberada ainda no mesmo dia. 

Segundo a revista Época Negócios, o PIX possibilitará uma queda no valor das cobranças. De acordo com a publicação, as cobranças serão mais baratas porque será possível oferecer microcrédito com taxas de juros menores, já que os custos atuais de cobrança pesam mais que o custo do capital nesses casos.

 

PIX: como funciona

Para utilizar o PIX, basta que ambos os usuários, tanto o pagador quanto o recebedor, tenham uma conta em um banco ou em uma fintech, as startups de sistema financeiro, que ficaram muito populares no Brasil nos últimos meses; Nubank, PicPay e PagSeguros são exemplos famosos. Para pessoas físicas, a adesão do PIX será totalmente gratuita. 

Além da leitura dos QR Codes nas duas modalidades, as transações através do PIX podem ser feitas do modo tradicional, informando os principais dados pessoais do recebedor e os números do banco ou instituição, agência e conta. O usuário também pode transformar o número do celular, o e-mail ou o CPF/CNPJ em uma espécie de chave PIX. Esta chave será uma espécie de “apelido” da sua conta. Para realizar qualquer transação, basta que o remetente informe este apelido. Cada usuário terá direito de adicionar até cinco dados pessoais para ser utilizado como “alcunha”. 

A partir do dia 5 de outubro, os usuários já podem procurar suas respectivas instituições financeiras para solicitar o registro das chaves. O PIX estará oficialmente disponível para toda a população a partir do dia 16 de novembro. Até o dia 3 do mesmo mês, todos os bancos deverão estar adequados para realizar esse tipo de transação. 

 

Siga a gente! 

Também estamos nas redes sociais! Para ficar por dentro dos nossos conteúdos e dos nossos serviços, siga-nos!

Facebook | Instagram | Twitter | Linkedin | YouTube