Transformação digital: esse conceito encabeça as principais evoluções tecnológicas que são esperadas para o setor das telecomunicações nos próximos anos. Nesse artigo, você encontra algumas reflexões sobre o assunto. Acompanhe!

Transformação digital: esse conceito encabeça as principais evoluções tecnológicas que são esperadas para o setor das telecomunicações nos próximos anos. Diversos nichos de mercado estão adentrando em um contexto onde será necessário otimizar as formas de conexão e aumentar as capacidades de processamento, afinal, o número de procedimentos e tratamentos de dados só cresce no decorrer dos anos. Por essa razão, é de extrema importância que haja aumentos nos investimentos nos sistemas de comunicação.  

Todo esse processo é creditado à implementação da transformação digital nas empresas do Brasil. Conceito amplamente discutido desde o século XX, o modelo prevê um processo de mudança estrutural que se utiliza da tecnologia como objeto central. Os focos são a melhoria do desempenho de uma empresa e a garantia de melhores resultados, otimizando diversos processos e proporcionando uma melhor experiência para todas as partes envolvidas. 

De acordo com a Forbes, 76,2% das empresas já implementaram ou estão desenvolvendo planos de transformação digital. A pesquisa foi realizada pela Samba Digital, unidade de negócios digitais da Sambatech. Os números superam uma projeção realizada em 2016 no relatório “Indústria 4.0: a digitalização como vantagem competitiva”. Na época, apenas 9% das empresas brasileiras eram digitalizadas e a expectativa era de que até 2021, a porcentagem chegasse a 72%. 

Esse crescimento só é possível graças a uma evolução do setor das telecomunicações, como bem destaca o portal Valor: “A indústria de telecomunicações desempenha papel central no avanço tecnológico e na digitalização da economia. Em todo o mundo, o acesso à internet tornou-se a mola propulsora da produtividade e da inovação”. 

A reportagem também destaca que esse nicho movimenta 3,6% do Produto Interno Bruto (PIB) e que o impacto das telecomunicações “será responsável por destravar o potencial de crescimento de outros segmentos, a exemplo da saúde, segurança pública, manufatura, varejo e agricultura”.

O segmento experienciou uma supervalorização e não foi à toa: os consumidores finais sentiram o impacto positivo dos veículos de telefonia e internet quando estavam isolados. De acordo com levantamento do Boston Consulting Group (BCG), 48% dos brasileiros tiveram uma visão melhor da importância desses serviços na própria rotina. Segundo a Anatel, os setores de telefonia móvel e banda larga fixa tiveram, no ano passado, um crescimento de, respectivamente, 4% e 8%, em comparação a 2019. É uma mudança de panorama já prevista, mas que a pandemia do novo coronavírus ajudou a acelerar. 

No centro de toda essa discussão, está o 5G. A quinta geração das redes móveis é considerada uma das principais responsáveis pela otimização da transformação digital na indústria. Com a baixa latência e a possibilidade de múltipla conexão, essa tecnologia tornará viável a implementação de diversos conceitos que já são previstos para o decorrer da década, como as cidades inteligentes, modelo de área urbana que utiliza de tecnologia para otimizar diversos processos usuais do dia a dia, e a Internet das Coisas (IoT), que conecta objetos da rotina a redes de internet. 

Atualmente, a implementação do 5G no Brasil segue dependendo de um leilão, que tem sido adiado há mais de um ano. O grande impasse para a realização é a aprovação de um edital da Anatel. A nova previsão é que as licitações aconteçam na primeira quinzena de novembro e que até julho do ano que vem, todas as capitais brasileiras já contem com a tecnologia. 

Por fim, vale destacar que a implementação da transformação digital exige uma mudança de perspectiva cultural das empresas brasileiras. É preciso entender que as inovações tecnológicas trazidas pelas telecomunicações não representam o processo em si. Elas são ferramentas que ajudam a oferecer soluções revolucionárias para melhorar a experiência do cliente, o principal foco desse modelo. 

 

Gostou do conteúdo? Siga a gente nas redes sociais! 

Também estamos nas redes sociais! Para ficar por dentro dos nossos conteúdos e dos nossos serviços, siga-nos!

Facebook | Instagram | Twitter | Linkedin | YouTube